O Dia Mundial da Osteoporose assinala-se  para chamar a atenção contra uma doença incapacitante, que enfraquece os ossos, e atinge uma em cada cinco portuguesas com mais de 50 anos.

A Osteoporose é uma doença metabólica em que os ossos se vão tornando cada vez mais frágeis, conduzindo a um risco acrescido de fractura, em particular na anca, coluna vertebral e membros superiores.

Afecta sobretudo as mulheres pós-menopáusicas, mas também homens, à razão de três mulheres para cada homem.

Os dados mais recentes da Direcção-Geral de Saúde (DGS) estimam que em Portugal existam 500 mil pessoas com esta doença e que apenas 200 mil dos doentes diagnosticados estejam a receber tratamento.

A DGS calcula ainda que cerca de 9500 portugueses sofram anualmente fracturas na anca devido à doença.

Entre 20 a 30 por cento dos doentes com fractura da anca morrem no ano seguinte à rotura e cerca de 40 por cento destes doentes ficam com incapacidade grave, custando a doença ao Estado anualmente 52 milhões de euros em cuidados hospitalares.

Um quarto das mulheres com mais de 45 anos assume que nunca consultou um médico para falar sobre a osteoporose, apesar da esmagadora maioria (92,3 por cento) a considerar "uma doença incapacitante".

Segundo o estudo, 24,6 por cento das mulheres com osteoporose afirma não estar a fazer tratamento.

Os factores de risco da patologia podem ser a menopausa, a idade ou o historial familiar. Contudo, factores externos como uma alimentação deficiente, a falta de exercício, o consumo de álcool e de tabaco, bem como o baixo peso também são apontados como causas para o seu desenvolvimento.