Em 1991 este Centro de Bem-Estar mudou para o Largo Dr. Rebelo Gonçalves, em Mafra, passando a ser um Lar de acolhimento, exclusivamente masculino. Em 1997 deu-se nova mudança para a Av. Eng. Duarte Pacheco, em Mafra, onde permaneceu até 2003.

 Desde 2003, esta Resposta passou a funcionar nas actuais instalações, sitas no Complexo Infantil e Juvenil, António Godinho Figueira, cuja construção, de raiz foi co-financiada pela segurança social através de verbas do PIDDAC.

Esta estrutura tem por finalidade o acolhimento de crianças e jovens ao abrigo da Lei de Promoção e Protecção (Lei 147/99), sendo a sua missão proporcionar-lhes, enquanto dura o acolhimento, condições de vida tão aproximadas quanto possível, às dos modelos da estrutura familiar com vista ao seu desenvolvimento físico, intelectual, moral e à sua integração na sociedade, tendo em conta o projecto de vida para cada um.

 As crianças e jovens que acolhe, são provenientes do Concelho de Mafra, conforme plasmado no regulamento interno em vigor. Neste momento, acolhe 8 raparigas e 16 rapazes com idades compreendidas entre os 3 e os 20 anos. A faixa etária para admissão situa-se entre os 3 e os 10 anos, salvaguardando casos particulares e regendo-se pelos parâmetros definidos na Lei de Promoção e Protecção de Crianças e Jovens em perigo (Lei nº 147/99 de 1de Setembro).

 São objectivos desta Resposta Social:

a)    Promover uma educação integral que permita o desenvolvimento harmonioso da criança/jovem assegurando as condições necessárias às suas necessidades de saúde, formação escolar e profissional, culturais, recreativa e desportiva;

b)    Definir projectos de vida, tanto quanto possível, com a criança/jovem de forma a desenvolver e garantir a sua cidadania;

c)    Proporcionar às crianças/jovens a satisfação das suas necessidades básicas em condições de vida tão aproximadas quanto possível às de uma estrutura familiar.

 Para alcançar estes objectivos, a Santa Casa dispõe de instalações próprias, dos indispensáveis recursos humanos que asseguram o funcionamento da Resposta e prestam todo o apoio necessário às crianças/jovens aqui residentes.

 Fazem ainda parte desta equipa, um conjunto de profissionais nas diferentes áreas de apoio logístico. Dispõe ainda esta valência de um grupo de voluntários para apoio multidisciplinar, no âmbito lúdico-pedagógico, constituindo uma bolsa de recursos a potenciar.   

 A medida de acolhimento em Instituição “consiste na colocação da criança ou jovem aos cuidados de uma Entidade que disponha de instalações e equipamento de acolhimento permanente e de uma equipa técnica que lhes garantam os cuidados adequados às suas necessidades e lhes proporcionem condições que permitam a sua educação, bem-estar e desenvolvimento integral”. (art. 49º da Lei de Protecção de Crianças e Jovens em Perigo, D-L 147/99 de 1 de Setembro). 

 O Centro de Bem Estar Infantil Nossa Senhora das Dores procura criar um espaço de vivência humanizado, em que às crianças e jovens, com o apoio da equipa técnico-educativa, sejam proporcionadas condições de segurança e afecto, interiorizando valores positivos de solidariedade, responsabilidade, respeito e autonomia, procura prepará-los para uma vida adulta feliz, responsável e participativa.

 O projecto educativo do CBEI tem por finalidade a educação integral das crianças e jovens, ajudando-os a descobrir e a desenvolver o respeito por si e pelos outros, bem como, pelos valores humanos fundamentais. Tem também por objectivo o desenvolvimento pleno e harmonioso das potencialidades dos destinatários, sendo promovida a sua participação em actividades desportivas, culturais e recreativas no seio da comunidade, para além da formação académica e profissional, e da satisfação das suas necessidades básicas (higiene, alimentação, conforto, saúde).

 Este projecto concretiza-se através de um esforço e de uma partilha em que as crianças e os jovens são os protagonistas indispensáveis, cabendo-lhes participar activamente e de forma adequada na construção do seu projecto de vida e na organização do espaço comunitário.

 No que se refere à dimensão individual o CBEI procura:

- Fomentar o espírito de responsabilidade face ao estudo e ao trabalho, como elemento de auto-formação;
- Orientar escolar e profissionalmente as crianças e jovens, de acordo com as motivações e o projecto de vida de cada um;
- Dinamizar a relação com os elementos familiares, partilhando com eles o percurso pessoal e escolar;
- Criar um espaço de encontro, partilha, de pedagogia e aprendizagem, bem como o fortalecimento dos laços afectivos entre funcionários e crianças/jovens.

 Sendo o CBEI um Lar de internamento médio / prolongado, é nossa preocupação promover condições para a autonomia de vida de cada um. Por isso, aspectos como a participação nas tarefas da casa, a gestão do dinheiro, a participação na vida da comunidade em que se inserem, constituem aprendizagens importantes para a sua vida adulta.

 Os jovens que permanecem até à maioridade são apoiados na escolha de formação académica e/ou profissional adequada e na caracterização da mesma, até à integração no mercado de trabalho, assim como no seu processo de autonomização.

  Para os jovens cujo processo de autonomização se prolonga, com necessidade de manutenção do apoio da Instituição, foi criada em 2002 uma nova Resposta, o "Apartamento de Autonomização”,mais conhecido por "Casa de Saida".

A “Casa de Saída” ou apartamento de autonomização situa-se nas imediações da Santa Casa da Misericórdia de Mafra. Sendo um T2, com capacidade para 4 jovens que, com algum apoio da Equipa Técnica, gerem as suas vidas autonomamente até atingirem a estabilidade económica e profissional necessárias à sua total independência.